AV: LEÔNCIO PIRES DOURADO EM FRENTE O QUARTEL DA PM

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Filha de Djavan cede prédio a sem-teto em troca de vaquinha mensal


Procurada pela reportagem, Flávia não quis se pronunciar sobre o tema

© Reprodução / São Paulo Antiga

  Na avenida São João, número 288, a poucas quadras dos escombros do desabado edifício Wilton Paes de Almeida, no centro de São Paulo, está o antigo Hotel Central.

  Construído em 1918 pelo escritório do arquiteto Ramos de Azevedo, que idealizou obras como o Theatro Municipal, o Palácio dos Correios e o prédio da Pinacoteca, o edifício hoje é ocupado por cerca de 200 pessoas do movimento FLM (Frente de Luta por Moradia) -que contam com o apoio daquela que reconhecem como proprietária do imóvel.

  A cantora, escritora e filósofa Flávia Virgínia, 46, filha do cantor e compositor Djavan, tem um acordo com os moradores do elegante prédio de quatro andares, que possui 40 apartamentos e uma fachada adornada por elementos barrocos, com colunas, volutas, portas-balcão e mansardas.

  Segundo explicam os moradores -sem citar Flávia, que pede que sua participação não seja motivo de publicidade-, o dinheiro que sobra da contribuição voluntária mensal feita por todos deve ser investido em obras no imóvel.

  Enquanto o entendimento vigora, ela não solicita a reintegração de posse, e fica com um valor próximo de R$ 6.000 para suas necessidades pessoais. Cada um dos moradores participa com quantias entre R$ 80 e R$ 150. O imóvel tem valor venal de R$ 4,5 milhões.

  Devido a esse arranjo e à organização dos moradores, o local é tido pela prefeitura como uma invasão acima do padrão, com instalação elétrica adequada, extintores de incêndio instalados e condições de higiene favoráveis.

  Os quartos medem entre 9 m² e 33 m² e receberam hóspedes grã-finos até as décadas de 1960 e 1970, quando o centro começou a perder seu protagonismo econômico. Até a década de 1990, recebeu viajantes com poder aquisitivo mais modesto, e já estava inativo quando foi invadido, em 2012.

  No começo da semana, a gestão Bruno Covas (PSDB) usou o imóvel para desenvolver a metodologia das vistorias que serão feitas em cerca de 70 prédios invadidos. O prédio foi visitado na segunda-feira (7), dia em que seriam iniciadas as vistorias.

  "Os moradores pagam uma espécie de locação social para a proprietária e então ela não pede a reintegração de posse, porque honramos os compromissos com ela", afirma Osmar Silva Borges, coordenador da FLM.

  "A proprietária vê o estado do local, acompanha se estamos conservando. Ela vem aqui conversar, participa de assembleias nossas. O acordo foi feito há quatro anos", completa Silva, com o cuidado de não revelar o nome de Flávia.

  Antonia Nascimento, coordenadora do Movimento Sem Teto Pela Reforma Urbana, filiado à FLM, é quem cuida do relacionamento do prédio com as autoridades municipais.

  Ela afirma que é nas assembleias, com a participação dos moradores (e, ocasionalmente, de Flávia), que são decididos os detalhes da agenda diária do edifício, como a divisão de tarefas, e questões mais amplas, como a definição de como serão feitos os investimentos dos valores arrecadados.

  "Aqui moram idosos, crianças, adolescentes, deficientes. Uma das regras do prédio é que, para morar aqui, a criança tem que estar frequentando a escola. Se a criança sair, chamamos a atenção, decidimos se a pessoa tem que deixar o prédio ou não. São critérios e regras definidos pela assembleia e têm que ser cumpridos", afirma.

  "Temos treinamento de brigada, por exemplo. Tem bombeiro formado também morando aqui. O movimento preza a segurança das famílias de forma única", diz Antonia.

  A reportagem não foi autorizada por representantes da FLM a entrar no edifício.

  O prédio foi comprado em 2007 pelo empresário angolano Mario Fernandes Almeida durante um período em que teve relacionamento com Flávia (de 2002 a 2009).

  Eles moraram parte do tempo em Angola e outro no Brasil. Tiveram duas filhas antes de se separarem. Também foi nessa época que compraram seis imóveis em São Paulo.

  Na época, Almeida planejava investir mais de R$ 11 milhões na reforma do antigo hotel, transformando-o em um grande espaço para exibir arte africana. No entanto, o projeto não vingou.

  Atualmente, a propriedade do imóvel da São João é motivo de disputas judiciais entre Flávia e Almeida. Ela pede o direito de administrar sozinha a propriedade. Segundo manifestação de Flávia no processo, o descaso do ex-companheiro com o imóvel levou a dívidas de centenas de milhares de reais em impostos.

  A filha de Djavan solicita ter o direito de decidir o destino do imóvel para que a herança das filhas não seja prejudicada.

  Já Almeida, que atualmente vive em Portugal, diz que Flávia não teria direito à propriedade do edifício pela natureza do relacionamento deles e que ela estaria se aproveitando "indevidamente" de imóvel que seria seu.

  Ele entrou na Justiça com pedido de reintegração de posse do imóvel na avenida São João, o que pode fazer com que os atuais ocupantes tenham que sair de lá sem anuência de sua ex-companheira.

  Procurada pela reportagem, Flávia não quis se pronunciar sobre o tema. Por meio de seus advogados, Mario Almeida afirmou que prefere não dar declarações no momento. O cantor Djavan também foi procurado por meio de sua assessoria de imprensa, mas não respondeu.

 Com informações da Folhapress.


                      Publicidade
RUA QUINTINO BOCAIUVA ESQUINA COM SÃO VICENTE DE PAULA, FEIRA DO BOM SUCESSO

Nenhum comentário:

Postar um comentário