Rua Perimentral Castelo Branco esq com a Rua Oratório no Parque Anhanguera

quinta-feira, 7 de abril de 2022

Eliziane abandona Weverton e pede para que ele abdique em nome da unidade


Quinta-feira, abril 07, 2022 | Publicado por: Carlos Dantas


A senadora Eliziane Gama é mais um do grupo formado por Weverton Rocha a abandonar a empreitada antes dela se iniciar. Em anuncio em sua rede social, disse que vai pela unidade do grupo de Flávio Dino, e apoiará o candidato Carlos Brandão ao governo do Maranhão. “Finalizo deixando mais uma vez meu apelo ao colega Weverton Rocha para que fique conosco, em nome da unidade e do progresso do Maranhão, nesse grande projeto comandado por nosso líder Flávio Dino”, destacou.


Fonte: 

quarta-feira, 9 de março de 2022

Eliziane Gama critica oportunismo de decreto de Bolsonaro sobre distribuição de absorventes




Para a senadora, ‘é fundamental garantir a derrubada do veto do presidente’ ao programa que prevê a distribuição gratuita de itens de higiene e proteção da saúde menstrual (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado) A líder da Bancada Feminina no Senado, Eliziane Gama (Cidadania-MA), criticou o oportunismo do governo Bolsonaro com a assinatura de um decreto, nesta […]

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2022

Qualquer candidatura que fure a polarização sairá vitoriosa’, diz Eliziane



Líder da Bancada Feminina no Senado, a senadora Eliziane Gama também almeja um papel relevante na eleições, de preferência em uma chapa majoritária. Ela espera a definição da federação que o Cidadania irá compor para saber o seu destino, mas não esconde que aceita a ideia de ser candidata à vice-presidente da República. Confira a entrevista com a senadora.


Quais as preocupações das senadoras nas eleições?
Temos certa unidade em relação aos temas que nos tocam, como violência contra a mulher, mercado de trabalho, igualdade na representação política, mais mulheres na política, enfim, teses históricas. Acredito que, neste ano, precisamos intensificar o debate sobre participação das mulheres nas chapas majoritárias. Atualmente, temos uma governadora e sete vices, mas podemos ousar. E, com isso, insistir para ampliar a nossa participação no Congresso Nacional.




O que está sendo feito para impedir candidaturas laranjas de mulheres?
Temos problemas em relação a isso. Mas, se compararmos as candidaturas laranjas masculinas e femininas, na verdade, nem podemos comparar. Mas precisamos ampliar esse debate comprometendo os homens, sensibilizando, evitando que retirem mulheres desses espaços. E temos os efeitos da cota de mulheres e do Fundo Eleitoral, que agora destina recursos específicos para campanhas de mulheres. Por meio desse esforço, o número de deputadas dobrou na Câmara, e tivemos maior representação também no Senado. Isso mostra que as políticas públicas estão no caminho certo. Queremos desdobrar esses resultados com mais deputadas estaduais, federais e senadoras. E, como eu disse, ampliar a presença de mulheres em chapas majoritárias.




A senhora pretende ser uma dessas representantes?
Meu partido tem candidato a presidente, o senador Alessandro Vieira. No entanto, tenho colocado meu nome à disposição e estarei aí para defender. É importante participar. Estou na política há 15 anos. Percebo o quanto isso repercute em outras mulheres também. Quanto mais espaço você ocupa, mais responsabilidade se tem no que representa. Lógico que também temos a candidatura da Simone (Tebet) à frente, e que seria muito interessante ver duas mulheres numa chapa majoritária.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022

SENADORA ELIZIANE PARTICIPA DE SESSÃO SOBRE VOTO FEMININO E SE REÚNE COM DEPUTADA AMERICANA




A líder da Bancada Feminina do Senado Federal, a senadora maranhense Eliziane Gama teve uma intensa agenda de atividades nesta quinta-feira, dia 24 de fevereiro referente a pauta das mulheres na política.

Durante o período da manhã, a Eliziane Gama participou de Sessão Especial alusiva ao Dia da Conquista do Voto Feminino no Brasil e destacou a necessidade de mudanças na legislação para garantir mais representatividade feminina, além da formação e conscientização para que mais mulheres estejam inseridas na política.

"Nós estamos comemorando esses 90 anos do voto feminino, porém sabemos que ainda temos muito a conquistar, por causa da sub-representação. Para avançarmos ainda mais precisamos usar todas as nossas forças e os espaços que nós ocupamos para envolver homens e mulheres na construção e melhoria dessa representatividade", destacou a senadora.

Eliziane Gama disse que a maior participação feminina na política tem de ser garantida com a reserva de cotas para os mandatos, e não apenas para candidaturas. Ela reivindicou ainda uma participação maior das mulheres nas instâncias decisórias dos partidos.


“A gente tem que mudar: estabelecer vaga de mandato. Argentina fez isso, Chile fez isso. Alemanha e Inglaterra estabeleceram cotas nos partidos. Você amplia a participação dentro do partido e consegue reverberar. Quem decide quem vai participar de programas e propagandas eleitorais? É o partido. Quem decide as candidaturas? É o partido. E quem está comandando os partidos? Os homens. A gente precisa ocupar o espaço”, afirmou.

Encontro com deputada Jackie Speier

A senadora Eliziane Gama também se reuniu nesta quinta-feira(24) com a deputada Jackie Speier, democrata representante do Estado da Califórnia no Congresso americano, e as deputadas federais Soraya Santos e Marília Arraes.

As parlamentares discutiram assuntos relacionados aos desafios enfrentados por mulheres na política e propostas para combater a violência contra a mulher.




"Nossa encontro foi muito positivo e uma troca de experiências sobre os desafios que as mulheres enfrentam na política", disse Eliziane Gama.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022

Nova líder da Bancada Feminina do Senado, Eliziane Gama diz que prioridade é ampliar espaço de poder da mulher na política




De acordo com a senadora, os investimentos para reestruturação da rede de combate à violência contra a mulher e projetos ligados ao mercado de trabalho também serão foco da bancada (Foto: Pedro França/Agência Senado)

Ao comunicar ao plenário, nesta quarta-feira (16), que tomou posse como nova líder da Bancada Feminina do Senado, a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) disse que uma das prioridade do colegiado em 2022 será a ‘ampliação da mulher nos espaços de poder’ na política brasileira.


“A nossa presença dentro do Executivo brasileiro é muito baixa ainda. Nós temos, num universo de mais de 5 mil municípios, pouco mais de 600 mulheres, ou seja, apenas 11%. Quando você vai para os demais espaços, varia entre 12% e 13% a participação. Há uma necessidade urgente da ampliação”, disse a parlamentar, que substitui a senadora Simone Tebet (MDB-MS) na liderança da bancada.

Também serão priorizados, segundo Eliziane Gama, investimentos para reestruturação da rede de combate à violência contra a mulher e projetos ligados ao mercado de trabalho.

“Uma das pautas que vamos priorizar neste ano aqui é exatamente a garantia à dignidade e à proteção das nossas mulheres no mercado de trabalho”, declarou.

A senadora Simone Tebet, em seu último discurso como líder da Bancada Feminina, nesta terça-feira (15), disse que Eliziana Gama vai ser bem sucedida à frente do colegiado.


“Nada mais justo já que foi dela o projeto que criou a liderança feminina na Casa”, afirmou a parlamentar do Mato Grosso do Sul.

Convenção 190 da OIT

Eliziane Gama também afirmou que a bancada vai cobrar da Presidência da República que encaminhe para o Congresso Nacional a ratificação da chamada Convenção 190 da OIT (Organização Internacional do Trabalho), que trata da eliminação da violência e do assédio no mundo do trabalho.


“Essa é uma convenção que o Brasil de fato tem que ratificar. É inaceitável o assédio, é inaceitável a violência contra as nossas mulheres “, afirmou a líder.

Prerrogativas

Criada em 2021 pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), a Bancada Feminina foi iniciativa de senadoras da atual legislatura (PRS 6/2021). A líder da bancada tem as mesmas estruturas e prerrogativas de lideranças partidárias ou de bloco parlamentar, como participar do colégio de líderes, orientar votações e ter a preferência no uso da palavra (Resolução 5/2021).

No ano passado, a Bancada Feminina teve uma participação de destaque não só nas votações em Plenário, mas também na CPI da Covid. Apesar de não comporem formalmente a comissão parlamentar de inquérito, por não terem sido indicadas pelos partidos, Simone Tebet, Eliziane Gama, Leila Barros (Cidadania-DF), Soraya Thronicke (PSL-MS), Zenaide Maia (Pros-RN), Kátia Abreu (PP-TO) e Mara Gabrilli (PSDB-SP) participaram assiduamente dos trabalhos da CPI.

Atualmente, a Bancada Feminina também conta com as senadoras Daniella Ribeiro (PP-PB), Eliane Nogueira (PP-PI), Mailza Gomes (PP-AC), Maria do Carmo Alves (DEM-SE), Nilda Gondim (MDB-PB) e Rose de Freitas (MDB-ES). (Com informações da Agência Senado)

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2022

Eliziane Gama é eleita líder da Bancada Feminina no Senado Federal*




A senadora maranhense Eliziane Gama (Cidadania-MA) foi escolhida para liderar a bancada feminina do Senado Federal durante reunião das parlamentares nesta quarta-feira, dia 09 de fevereiro de 2022.

Eliziane Gama tem forte atuação no Congresso Nacional e se destacou durante os trabalhos da CPI da Covid-19, principalmente na defesa da participação feminina nos trabalhos da Comissão.

Na primeira reunião de 2022, a bancada discutiu a pauta feminina para o ano Legislativo.

A senadora Eliziane Gama destacou projetos apresentados por ela e pediu a retomada da discussão das iniciativas, entre elas a criação de Fundo de Amparo aos órfãos da Covid-19; o projeto de regulamentação da atividade de doulas e o projeto que garante a vaga de pelo menos uma mulher como membro das comissões do Senado Federal.

Desde o ano passado, o grupo de senadoras tem assegurado uma cadeira no colégio de líderes, que discute a pauta de votações toda semana.

O projeto que formalizou a bancada feminina na Casa ano passado é de autoria da senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) e foi elaborado em conjunto com as outras parlamentares.

*A voz das mulheres*

Eliziane Gama é a única mulher que representa o Maranhão no Congresso Nacional. Ela tem sido uma voz de defesa da participação das mulheres na política.

Foi duas vezes deputada estadual (2007-2014), ocupou uma cadeira na Câmara Federal(2015-2018) e foi eleita senadora nas eleições de 2018.

Com trabalho reconhecido nas áreas de infância, juventude, idoso, mulher, pessoas com deficiência e meio ambiente, Eliziane Gama está entre os parlamentares com maior influência no Congresso Nacional, segundo o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar- DIAP e em 2020 foi eleita melhor senadora pelo Prêmio Congresso em Foco.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2022

Governo Flávio Dino usa força contra professores


O governador Flávio Dino (PSB) e o vice Carlos Brandão (PSDB) foram recebidos hoje de uma maneira nada agradável na cidade de Bacabal.

Os professores da rede estadual de ensino cobraram reajuste salarial e o repasse do Fundeb. Com faixas e cartazes, os educadores expuseram as suas reivindicações. No final, os docentes foram expulsos do local, por policiais militares e seguranças do governo, o que evidencia a falta de respeito com a categoria.

E a narrativa governista de que os professores do Maranhão ganham o maior salário do Brasil mais uma vez não se sustenta.

Fonte: blog.marapa

Rádio e Agência Senado são fundamentais para democracia e transparência do Legislativo, diz Eliziane Gama




Para a senadora, além do papel de levar informação aos brasileiros, os veículos de comunicação do Senado democratizam a informação (Foto: Pe...

Para a senadora, além do papel de levar informação aos brasileiros, os veículos de comunicação do Senado democratizam a informação (Foto: Pedro França/Agência Senado)

Ao destacar os 25 anos da Rádio e Agência Senado, a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) disse em sessão especial da Casa, nesta terça-feira (08), que os veículos cumprem um papel fundamental de informar a população sobre as ações do Legislativo.

“Por meio do rádio, da agência, todos os profissionais conseguem, na verdade, levar para o restante do Brasil as informações e o trabalho feito pelo Senado Federal, pelos senadores. Esses importantes veículos de comunicação legislativa contribuem para a consolidação da democracia e a transparência de todas as atividades do Senado Federal”, afirmou a parlamentar, que é jornalista e começou a carreira profissional no rádio.

Eliziane Gama disse que o rádio é um veículo de comunicação muito presente na vida das pessoas e que no Maranhão, com 217 municípios, é fonte importante de informação da população com a defasagem da cobertura digital do estado, uma das mais baixas do Brasil.





“Às vezes, na nossa caminhada, alguém sempre diz: ‘olha, senadora, eu a ouvi lá na Rádio Senado’. Enfim, a gente sempre ouve isso; ou seja, está lá presente através desse poderosíssimo instrumento de comunicação que é o rádio e também naturalmente a agência, porque acabam os dois, um municiando o outro, com um volume de informações realmente muito pertinente, muito importante”, considerou.

Eliziane Gama disse que a iniciativa do também maranhense e ex-senador José Sarney (MDB), então presidente do Senado, foi fundamental para a implantação da Rádio e da Agência Senado na década de 1990.


“Eu entendo que foi um divisor de águas em um dos princípios que são fundamentais da administração pública, que é a transparência pública”, afirmou.

Para a senadora, além do papel de levar informação aos brasileiros, os veículos de comunicação do Senado democratizam a informação.




“A gente está aqui no Senado e continua presente no rádio, conversando através desses grandes profissionais da comunicação”, disse Eliziane Gama, ao saudar ‘todos que cumprem um papel muito importante para o exercício da cidadania’.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2022

Cidadania sugere Eliziane como alternativa para vice-presidente de Doria


A
 senadora Eliziane Gama se reuniu, nesta quinta-feira (3), com o governador paulista, João Doria (PSDB), no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.

O encontro foi marcado para tratar de temas relacionados à vacinação infantil. A senadora pelo Maranhão ganhou popularidade durante a CPI da Pandemia.

Segundo integrantes dos partidos ouvidos pela reportagem, a reunião também serviu para apresentar a senadora como possível candidata à vice-presidência da República, caso Doria seja escolhido como cabeça da chapa.

Conforme as fontes ouvidas pela reportagem, o governador paulista gostou da sugestão. Oficialmente, Doria não se manifestou. Procurado, o presidente do Cidadania, Roberto Freire, não confirmou a oferta, mas disse que, caso ela se concretize, seria algo positivo para o seu partido.

Uma possível federação entre o PSDB e o Cidadania ganhou força na semana passada. Contudo, o Cidadania também negocia federação com o Podemos, que tem como pré-candidato o ex-juiz Sergio Moro, e o PDT, do ex-governador Ciro Gomes.


Na última terça-feira (1), após reunião da Executiva Nacional da legenda, ficou definido que a decisão final será tomada na reunião do Diretório Nacional do Cidadania, do dia 15 de fevereiro.

Já em relação ao PSDB, nesta quarta-feira (2), os tucanos anunciaram que abriram conversas com o MDB para a criação de uma federação entre as legendas.

A federação é um mecanismo novo nas eleições brasileiras, que permite a partidos unirem forças no cálculo do quociente eleitoral e a somarem tempo de TV. É um modelo parecido com o das coligações, com a diferença de que os partidos que fecharem acordo agora terão, obrigatoriamente, a ficar juntos pelos próximos quatro anos.

Em entrevista à CNN, Doria declarou que ficou feliz e honrado com a proposta. “É uma pessoa com dimensão para fazer esse pleito. E tem o apoio de uma parcela considerável do Cidadania”, disse o governador.

Ele lembrou que o senador Alessandro Vieira, do Cidadania, também busca se viabilizar como pré-candidato. “Mas a figura da senadora, até pelo fato de, agregando ao seu histórico, à sua biografia, o fato de ser uma mulher contundente na sua posição na defesa dos pontos que ela prioriza: educação, a democracia e a saúde. Portanto, um bom nome”. Da CNN

Eliziane Gama: Ministro da Justiça precisa esclarecer relatório da PF que isenta Bolsonaro do crime de prevaricação no caso Covaxin



Integrante da Bancada Feminina na CPI da Pandemia, a parlamentar considerou ‘muito estranho’ o resultado da apuração da Polícia Federal (Foto: Reprodução/CNN)

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) cobrou explicações do ministro da Justiça, Anderson Torres, sobre o relatório da PF (Polícia Federal) que isenta o presidente Jair Bolsonaro do crime de prevaricação na investigação da compra da vacina indiana Covaxin contra a Covid-19, denunciada à CPI da Pandemia no ano passado.

Integrante da Bancada Feminina na comissão de inquérito, a parlamentar considerou ‘muito estranho’ a resultado da apuração da PF diante da denúncia do funcionário do Ministério da Saúde Luís Ricardo Miranda e do irmão dele, o deputado federal Luís Miranda (DEM-DF), de que se encontraram com o presidente Bolsonaro no Palácio da Alvorada e relataram as suspeitas envolvendo as negociações para aquisição da Covaxin.

“Nós recebemos documentos muito importantes, depoimentos contundentes, um deles, inclusive, de um deputado federal aliado do presidente, que falou claramente que ele [Bolsonaro] sabia das informações, mas não tomou nenhuma providência. Portanto, eu acho muito importante que nesse momento nós possamos ouvir o ministro da Justiça para que ele explique a linha de investigação adotada pela polícia federal”, disse Eliziane Gama, ao defender a convocação do ministro da Justiça para esclarecer o caso no Senado.

A PF enviou nesta segunda-feira (31) ao Supremo Tribunal Federal o relatório no qual aponta que não identificou conduta criminosa de Bolsonaro no caso. O entendimento do delegado William Tito Schuman Marinho é de que a comunicação de crimes a órgãos de controle não é uma atribuição do presidente da República.

Prevaricação

Prevaricação é um crime contra a administração pública e ocorre quando um funcionário público, tomando conhecimento de denúncia de irregularidades, deixa de comunicar a suspeita às autoridades.